segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Fazer Pizza

  Há coisas que se deve fazer bem devagarinho para retirar todo o prazer delas, há outras que se não for rápido não tem piada nenhuma. Bem...
  Imagina que estás a fazer uma pizza. Já tens a massa estendida à tua frente, num belo balcão. Estás todo janota com um avental branquinho (que já estou a ver bem porco no fim) e uma rede foleira na cabeça (não queremos cabelos na pizza, apesar de saber que vais fazer porcaria na mesma).
  Estão vários ingredientes, da melhor qualidade, bem coloridos e frescos, à tua volta, dispostos em belas tigelas amarelas. Há legumes às tiras e aos cubos e até inteiros para o caso de queres fazer algo de diferente; há molhos de todas as variedades (não é molhos de chaves, pára de interromper); há tantas especiarias que parece que estás na Índia; há fruta de todos os locais do mundo até aquelas que nunca ouviste falar, como Kiwano, Carambola e Rambutan (espero que não as uses); há carne e peixe do melhor que se pode arranjar; resumindo há tudo o que tu gostas, não gostas e puderes imaginar. Estás numa das melhores cozinhas do mundo.
  Lava as mãos, vamos começar. Primeiro espalhas o molho de tomate, uma bela camada que eu sei que tu gostas (eu não gosto muito), depois polvilhas o queijo mozzarela (se quiseres podes por gouda ou feta, estás à vontade neste aspecto). A pizza parece maravilhosa, a parte fácil está feita, até agora está tudo a correr bem. Ligas o forno, se quiseres um a lenha também se arranja, eu faço tudo por ti.
  Agora há um pequeno problema, eu vou ter de me ausentar e tu vais ter de fazer a tua pizza com base nas tuas decisões. Eu digo para não te preocupares, que é só meter coisas que gostes que tudo vais correr bem (estou a mentir claro, só não te quero assustar, eu sei que lá no fundo tu és um bocado azelha), e que no fim é meter no forno e esperar que ela esteja cheirosa (pelo menos).
  Quando te vês livre de mim até sorris, porque lá no fundo tu querias experimentar coisas, ser livre e louco à vontade, pensas que as melhores coisas nascem das experiências que se faz ao longo da vida. Aquele é o teu momento de criar algo único. Com toda a confiança do mundo jogas a mão à tigela dos Smarties e atiras com eles pela tua pizza toda. Mas a loucura continua, fritas uma batatas que espalhas às mãos cheias, olhas para o salmão fumado e sem cortar estendes as fatias ao longo da pizza, e depois é brócolos, é picanha, é molho pimentão, é até não caber mais. Com o sorriso de total satisfação na cara metes a pizza no forno.
  Agora diz me uma coisa, vais mesmo comer isso? Se calhar até comias só para tentar mostrar que não é assim tão má, mas achas que mais alguém ia gostar disso? Ainda por cima deixaste queimar a porcaria da tua pizza. Eu não comia isso, disso podes ter a certeza, e não é por causa dos Smarties.
  Lá no fundo tu, eu e toda a gente é uma pizza desse género. Somos uma misturada de coisas que muitas vezes não fazem sentido, e depois esperamos que haja alguém que goste.

7 comentários:

humming disse...

Muito, muito giro, David! :)

David Pires disse...

Sério? Dei tanto de mim neste post e ninguém comentou (ninguém comenta o meu blog vá). Obrigado :)

Rata disse...

Confere.

David Pires disse...

Ler posts antigos é perigoso :)

Rata disse...

Porquê? Passado ou presente é tudo teu. És sempre "tu".
Ao ler estou a reparar que existe alguém muito parecido comigo. Até demais. Mas não de uma maneira assustadora. Positiva, muito positiva.

Rata disse...

Ah! Talvez já te tenhas perguntado como raio te encontrei. Pois foi aqui: vimeo.com/

Andava à procura de uma música e fui dar com a tua página. Pareceu-me interessante :)
btw, eu sou esta: http://vimeo.com/susanarato

"Rata" de Susana rato. (é uma das alcunhas. Not in a sexual way..)

David Pires disse...

Eu bem me perguntei quem é que tinha andado a ver os meus vídeos esta semana.
Bem, mas em relação aos textos do passado, eu já fiz isso de andar a ler para trás, e dá para ver fases na vida das pessoas, é só por isso, tem cuidado.
Bem, muito prazer Susana. Quando passar a ser parecido de uma maneira assustadora avisa. :)