sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Desistir do Bem

     Então e quando faço o que não devo e sinto que fiz a coisa certa. Sinto-me bem. Não devia ser o contrário? Não devia haver um bichinho cá dentro a remoer e a tentar fazer-me sentir mal? Eu acho que devia, mas ou o meu bichinho morreu ou ele adora fazer as coisas que supostamente eu não devia fazer. O meu bichinho deve ser um fixe (se tiver morto é que não).
     Não fiz nada de mal. Mas que me dá uma vontade de fazer muita coisa que não devia, isso dá. Estou a entrar na adolescência, estou um rebelde! Vou deixar de falar com os meus pais, vou fumar para trás do pavilhão e começar a dizer que ninguém me percebe. Vai ser mesmo giro! Ah não espera, sou um adolescente, nada é giro. 

     Porque é que consigo desistir de coisas, mas não consigo desistir de ideias? Sou um casmurro. Acho que é porque as ideias custam mais a desligar, coisas é fácil. Quando eu digo coisas estou a falar de hábitos, tipo a natação ou juntar dinheiro para comprar um barco. Quando falo de ideias é mais achar que consigo mudar as pessoas, ou aquilo que quero saber mas não sei bem como. Preciso de tempo e talvez uma nova ideia para esquecer outra, enquanto que o dinheiro para o barco posso chegar ali à Fnac e gastar todo em coisas.
     
     Queria fazer algo mais interactivo por aqui. Alguém quer deixar ideias, sugestões? Partilhem os vossos desejos mais íntimos, há limites claro, mas podem testar-me.

2 comentários:

humming disse...

Tens contar tu primeiro uma história; depois uma pessoa entra na onda e também quer contar uma, agora assim sob pressão? É como as festas de anos quando eras pequenito, tinha de ir alguém primeiro à mesa para te sentires à vontade para comer.

David Pires disse...

Eu estou sempre a contar coisas. Era a tentar estimular os outros. :)