domingo, 19 de agosto de 2012

Existe

Sinto falta da Finlândia. Não sei explicar que tipo de falta. Ás vezes é das coisas mais simples como as viagens de comboio de manhã com neve por todo o lado. Há coisas que me fazem lembrar da sensação de lá estar. Música. Comidas. Conversas. Lavar a loiça. As coisas que pareciam más são lembradas com nostalgia. As festas. A lavandaria. As pessoas. As memórias funcionam da maneira errada. O ser humano funciona da maneira errada. Querer sempre algo que não existe. Ser a pessoa que pensamos que queremos ser. Não aproveitar as capacidades por causa de uma noção de moral inventada. Medo de quê? Alguém que diz sempre que as pessoas são dispensáveis. Mas age de acordo com elas. Querer agradar. Não querer magoar. Preocupar-se. Quem não se preocupa chega mais alto. Mas será que vale a pena o custo? A energia mental. Se calhar é o contrário. Não é necessário energia nenhuma. Apenas agir. Quebrar o balanço. Perder o medo. Aprender com os erros. Aprendi muito na Finlândia. Cada conversa. Cada sorriso. Cada beijo. Cada noite mal dormida. Aprender está em tudo. Já não volto. Não se pode voltar ao que já não está lá. Por isso é que sinto falta. Porque já não existe.

4 comentários:

Carlota disse...

adorei :)

David Pires disse...

Carlota, estás maluca? Isto? Ok :)

faa aa disse...

Raramente percebemos que algo nos vai marcar enquanto a vivemos, ou se percebemos, nunca adivinhamos a importância que terá.
É complicado e como já houve algures, temos sempre saudades daquilo que não conhecemos. Então do que conhecemos e gostamos..
Bom texto :)

David Pires disse...

faa aa, Acho que é isso sim. Obrigado! :)