terça-feira, 17 de abril de 2012

Botão


     Se houvesse um botão de reset usavas? Um botão para apagar todas as relações humanas que criaste até hoje. Não conhecias ninguém e ninguém te conhecia, completamente novo e sem nenhum peso ou bagagem emocional. E claro que não sabias que o tinhas usado, para não haver arrependimentos nem nostalgias de algo que nem tu terias memória de que aconteceu. Ainda tinhas a tua vida, nada no teu quotidiano mudava, mas todas as pessoas seriam novas e tu também serias novidade para o mundo.
     Provavelmente pouca gente usava. Por mais que se achem livres há sempre conexões que alguns não querem perder. Pessoas que achamos que não há igual no mundo. Amigos. Família. Colegas. Há pessoas importantes na vida de todos, mesmo nas vidas mais miseráveis. Para alguns mudar de bairro já é difícil.

     (resto do texto foi eliminado por razões editoriais alheias ao autor)

11 comentários:

humming disse...

E depois de carregar nesse botão, quantas memórias restariam? O registo de uma vida praticamente resumido aos momentos que passamos sentados humilde e solitariamente na sanita meio nus.

Inês disse...

lembrou-me the eternal sunshine of the spotless mind

David Pires disse...

humming, às vezes esses momentos são do melhor que há em dias complicados. Mas acho que o botão funcionava como perda de memória geral, mas sabíamos tudo o que tínhamos aprendido em vida.

Inês, epa... é verdade. Devia apagar isto, vou postar outra coisa qualquer para ver se este post se perde no meio do resto :)

humming disse...

Ou então os relacionamentos (de qualquer tipo) podiam ser uma função de estado, em que o caminho percorrido não interessa, interessa apenas a posição inicial e final, assim, as pessoas das quais nos afastávamos ao ponto de no fim ficarmos como na situação inicial, não fariam parte da nossa existência, porque o que interessa é a diferença entre o ponto inicial e o final.

David Pires disse...

Isso depois ia ser muito relativo. Defines o fim onde? Ás vezes as coisas parecem o fim e depois não são, não é bem como um pico de actividade que tem principio e fim, são uns altos e baixos tipo tremor de terra.

martolas disse...

CONEXÕES.

Carlota disse...

How happy is the blameless vestal's lot! / The world forgetting, by the world forgot

David Pires disse...

Carlota, Alexander Pope? Eternal sunshine of the spotless mind!

Carlota disse...

But of course! :)

CV Love disse...

Hummm... eu acho que não carregava!

David Pires disse...

CV Love, eu também acho que não, mas quem lê isto pensa que sim :)