sábado, 8 de outubro de 2011

A Procura Objectiva numa Bobine

     A nostalgia atinge-me em coisas muito simples. O VHS é uma delas, mas não o VHS comprado, mas sim o ritual de gravar coisas da televisão e tentar cortar os intervalos, mas muitas vezes falhar, gravando ainda bocados de intervalo ou começando a gravar tarde demais. Aquelas prateleiras cheias de cassetes de lombadas todas escritas onde tentamos decifrar a letrinha de quem escreveu o nome do filme, já que por vezes havia vários filmes numa só cassete. As lombadas riscadas porque já houve gravação sobre gravação, ou percebermos que gravamos sobre uma coisa que na altura parecia pouco importante, mas que na pressa para não perder o inicio de um programa não nos demos ao trabalho de verificar o que a cassete tinha. Quando havia tempestades e havia problemas na antena e o video ficava com formigueiro ou pequenas falhas como barras horizontais que atravessavam o écran, e parecia que isso só acontecia quando queríamos gravar algo realmente importante. No Natal sabíamos que ia dar bons filmes, mas também sabíamos que não íamos estar à frente da televisão a noite toda e por isso metíamos o gravador de VHS programado para a hora do filme, e quando um ou dois anos mais tarde voltávamos a ver o filme e percebíamos pelo intervalo que aquilo tinha sido gravado no Natal de 96 por causa dos separadores dos canais. A alegria do "temos de gravar!".
     Hoje em dia provavelmente já não fazia sentido, porque cada vez menos há filmes de interesse na televisão, acabaram as sessões tardias como "Maiores 17" ou "Ultima Sessão". Fico triste com este assunto, já chega.

4 comentários:

ana disse...

Epá, tu não tens noção do feliz e triste que fiquei, tudo ao mesmo tempo, por ler este post! A sério, David, não se faz. Haha, estes tempos eram tão fantásticos. Tão cheios de coisas espectaculares. Eu tenho ali tantos VHS e agora, só por causa disto, vou ali escolher um para ver.

David Pires disse...

ana, hoje a nossa mente já não aceita a qualidade de um VHS. Quer dizer, aceita, acha estranho, mas vai lá. As gerações futuras é que já não vão conseguir ver aquilo

Sofia disse...

Tava aqui a escrever um comentário, mas já ia muito longo. Vou escrever um post e dps deixo o link. Importaste? Não vou plagiar o teu post, só a ideia... ;)

David Pires disse...

Sofia, à vontade :)