sexta-feira, 8 de julho de 2011

Social

     Já fui pagar a segurança social. Não digo quanto foi, mas já não sou rico, por isso podem parar de me tentar agradar que já não há nada para vocês. Mas podem explicar-me porque é que se paga segurança social. Se eu abdicar do sistema nacional de saúde e da minha reforma já não preciso de pagar? Se for isso devia ser possível, porque eu nunca fico doente e com esta mudança constante da idade da reforma acho que nunca vou lá chegar. Mas decidi que nunca mais! Nem finanças nem segurança social, nem que para isso tenho que ser traficante de droga.
      Quando lá estava, para além de ter percebido que há poucos sítios mais deprimentes do que a segurança social (o centro de saúde é a coisa mais equivalente), percebi também que o crise do país é culpa minha, eram as minhas dívidas. Amanhã vamos deixar de ser aquilo que não pode ser prenunciado e que há um caixote para tal. 
      Já não tenho dívidas, mas também já não tenho férias. Cancelei a minha ida a qualquer festival que seja, e vou ter que repensar as minhas férias no Algarve (só porque não consigo não ser parvo). Jogar poker com os amigos também já não sei se dá, aquele euro vai custar muito a sair do bolso. Tenho uma máquina de filmar para comprar, por isso já não há mais gastos desnecessários. A partir de agora é só prazeres grátis ou pago por outros. 
      Não quero falar mais do assunto, dá-me um aperto no coração.

5 comentários:

Brown Eyes disse...

Xiii, quando chega a altura de fazermos contas com o Estado, não é de facto nada bom :(

David Pires disse...

Só fiz contas com o Estado duas vezes e parece-me que já foram vezes a mais para uma vida. :) mas eu percebo vá...

Rata disse...

Raios!

ana disse...

Pronto, uma festinha (sempre que digo isto alguém, perguntam "mas eu sou algum cão?". Mas a intenção não é chamar-te "cão", é confortar :b).

David Pires disse...

Já passou :)