segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Agora e Para Sempre

Gosto de pensar no futuro, mas não me apetece muito ter o trabalho de lá chegar.
Mas não é isso que estou a pensar agora. Agora estou a pensar como a importância de uma pessoa muda ao longo dos tempos, e como ingénuos somos, ou sou, sempre que conheço novas pessoas interessantes.
Lembro de muitos dos meus amigos do ciclo, os da primária também me lembro claro, mas com esses ainda não tinha bem a noção do presente e futuro. Mas os de ciclo é diferente, no secundário não fiz grandes amigos, mas vou tentar não divagar. Amigos do ciclo, era aqui que eu ia. 
Tive vários amigos no ciclo que foram importantes, mas ficaram poucos, e os que ficaram cada vez os vejo menos, não sei porque é que isto acontece, talvez por perceber que afinal não temos assim tanto em comum, pelas vidas mudarem de rumo, porque simplesmente afinal eles não eram assim tão amigos, mas aquelas pessoas que estavam ali.
Não fiquei triste por vários amigos que nunca mais vi, às ouço falar deles, ou até os vejo ao fundo da rua ou no sempre muito útil facebook (ironia pessoal não preciso de avisar sempre), mas percebo que não tinha de ser, lembro com alguma saudade alguns momentos, mas hoje eles já não são as crianças que eram. Nunca me aconteceu encontrar alguém e pensar em como é que eu deixei a nossa amizade esvair-se, sou um bocado frio em relação a isso.
Hoje em dia é diferente, quero manter os amigos que ainda tenho do ciclo, mas cada vez é mais difícil. Dos poucos amigos que fiz até agora na universidade penso que são para manter, mas são dois grupos que não consigo misturar. O mais difícil são aqueles que conheci fora de qualquer estabelecimento de ensino, esses são únicos, esses são aqueles que estão lá porque eu quis, não porque os tive de ver todos os dias.
Já estou um bocado à nora, acho que nem falei bem do que queria. 
Agora cada vez mais imagino estes amigos que tenho, no futuro, mas tal como antes, posso estar a ser ingénuo, tal como antes, as vidas podem ter outro rumo, posso perder amigos num dia de mudanças. Chega o momento de perceber quais são aqueles que merecem o meu tempo e tentar não os perder como muitos outros. 

6 comentários:

humming disse...

Julgo que os amigos que se mantêm melhor são aqueles que continuam a pensar em nós (e nós neles) independentemente da nossa assiduidade ou não. Geralmente são aqueles que têm vida própria, que entendem a nossa vida e que, quando os voltamos a encontrar, é como se os tivessemos visto no dia anterior.
A verdade, julgo eu, é que todos vamos crescendo e muitas vezes fazemo-lo em direcções diferentes. Há os amigos que crescem para o mesmo lado que nós, esses mantêm-se. Há os que crescem para outro lado, mas que gostam de saber o que existe do nosso lado. Também se mantêm. Depois há os que foram para o outro lado e se tornam completamente incompatíveis connosco, ao ponto de se tornarem desconhecidos.
Até hoje foi mais ou menos isto que fui concluindo.
Lá estou eu a sodomizar a tua caixa de comentários. A culpa é tua, que abordas assuntos que dão vontade de conversar.

David Pires disse...

Amanhã só escrevo sobre um assunto que não interesse a ninguém! Queijos!
Acho que foi dito por ti o que eu não consegui dizer muito bem. Principalmente o primeiro parágrafo. Os amigos que compreendem as vidas uns dos outros e que quando se volta a ver parece que nunca nos separamos são os melhores. São os que me fazem acreditar na amizade.

Mas assim sinto me mal por não comentar o teu blog! Eu a comentar só digo asneiras, mas vou tentar controlar-me.

Cláudia Neto disse...

Identifico-me um bocado com o que escreveste. Ao longo do meu percurso fui perdendo alguns amigos que julgava que o iam ser para sempre, e apesar de tudo separar-me de alguns dos meus amigos (secundárias ou faculdades diferentes) fortaleceu e engradeceu a amizade que tinha com eles. Alguns dos meus melhores amigos são aqueles em que certo ponto eu e eles seguimos caminhos diferentes, e começámos a falar e conviver mais do que quando nos viamos todos os dias.Acho que é o que disseste sobre os amigos compreenderem a vida dos outros..
Poxa, fartei-me de escrever!

David Pires disse...

Andam a aparecer comentários assim para o grandes, isso quer dizer que ando a por as mentes a funcionar, não sei como...
Claudia é mesmo assim! caminhos diferentes às vezes fazem as coisas melhor

Kat - カティア disse...

Só tenho a dizer que, no fundo, eu (aquela gaja assim meio blhe) até pensa da mesma maneira que tu ;)
Preserva os bons, o resto "foi engraçado".
Bjuss

Kat

David Pires disse...

Kat: Ia dizer que acho que a maioria das pessoas já pensa assim, mas depois lembrei-me de alguma pessoas que querem é ter muita gente, não interessa se são importantes ou não. Por isso fazes bem :)