quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Digo Interesse

  Poderá ser alguém interessante para sempre? Até hoje, ainda não consegui encontrar a resposta para esta pergunta, e até é uma pergunta simples, mas é uma difícil de comprovar. Já conheci várias pessoas interessantes, bem se calhar não foram assim tantas, mas acho que dá para encher pelo menos uma mão e mais uns dedos, mas não sei se só seriam interessantes naquele dia, naquele mês, naqueles anos. Não sei se o aspecto ou aspectos que achava interessante nessa pessoa se manteriam para sempre, afinal fui perdendo o contacto com elas, e o para sempre pode ser esquecido. 
  Será que as boas conversas podem durar para sempre? Sentir que alguém é inteligente, divertido ou mesmo só apenas agradável de ouvir é algo que provavelmente tem prazo de validade. Eu sou sincero, tenho a noção que perco o interesse nas pessoas rapidamente, principalmente se não houver algo mais do que o seu interesse que nos una. Não vou começar a divagar sobre o que eu acho preciso para isto acontecer, nem me sinto muito à vontade para falar do que quer que seja que me agrada o desagrada nas pessoas, para isso não uso isto.
  O que escrevo aqui neste blog não pode ser levado sempre a sério, às vezes escrevo coisas no calor do momento, às vezes sou demasiado radical sobre certas coisas que escrevo e depois acabo por ser bastante liberal em relação a tudo. Depois ainda há aquelas coisas que não sei muito bem como falar delas, aquelas ideias soltas que não dá para juntar num texto coerente que seja possível de publicar, essas ideias estão no meu caderno. 
  No caderno para além de estar aquilo que não consigo passar muito bem para palavras, está aquilo que não posso escrever aqui, não porque sejam coisas más sobre pessoas, já que não faço a mínima ideia de quem lê isto, só sei aqueles que comentam, mas são coisas sobre mim, demasiado sobre mim, demasiado sobre mim e sobre aqueles que adoro. Esses eu não posso magoar, esses eu não quero desiludir, com esses não me quero esconder atrás de um blog para expressar certas coisas, o que tem de ser dito é dito.

2 comentários:

Cláudia Neto disse...

Acho que ninguém nem nada é interessante para sempre. A nossa personalidade é dinâmica e portanto sofre alterações constantes ao longo da nossa vida, e por isto nós nunca temos a mesma percepção sobre alguém ou algo durante uma vida toda. Pelo menos para mim isto aplica-se, ja achei muita gente interessante (que foram inclusive meus amigos) e agora já não acho, assim como o contrário também.

David Pires disse...

Falas te de uma coisa interessante, a mutação, acho que só a constante mutação é que faz com que isto funcione.